quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Investigadores britânicos estabelecem relação entre depressão e vício da Internet

Psicólogos britânicos conseguiram traçar uma relação entre o uso excessivo de Internet e a depressão. De acordo com investigadores da Universidade de Leeds, as pessoas que estão sempre ligadas à Net são as que apresentam mais sintomas de depressão.

Num artigo publicado no Jornal de Psicopatologia, os investigadores concluíram que um grupo reduzido de pessoas que participaram no estudo e foram classificadas como “viciadas em Internet” estavam mais sujeitas a depressões do que as pessoas não-viciadas.

Para chegar aos resultados, os investigadores conduziram um inquérito junto de 1319 jovens e adultos, que responderam a perguntas acerca do tempo que passavam online e o que é que faziam quando estavam ligados. Paralelamente, fizeram aos inquiridos uma série de perguntas-padrão para aferirem a gravidade dos seus problemas de depressão, através do uso do Beck Depression Inventory.

O relatório, levado a cabo pelo Instituto de Ciências Psicológicas da universidade, concluiu que 18 por cento das pessoas que completaram o questionário - 1,4 por cento do total - eram viciadas em Internet.

“O nosso estudo indica que o uso excessivo de Internet está associado à depressão, mas aquilo que nós não sabemos é o que vem primeiro - as pessoas deprimidas procuram mais a Internet ou é a Internet que está a deprimir as pessoas?”, referiu ao “The Guardian” a responsável pelo estudo, Catriona Morrison.

“Aquilo que fica claro é que, para um reduzido número de pessoas, o uso excessivo da Internet pode ser um sinal de alarme para tendências depressivas”, acrescentou.

A idade dos inquiridos variou entre os 16 e os 51 anos, situando-se a idade média dos entrevistados nos 21.24 anos. A média de idades do grupo identificado como “viciados em Internet” é de 18.3 anos.

Comparando os sinais de depressão registados dentro deste grupo com um grupo semelhante, composto por pessoas com uma idade média igualmente situada nos 18.3 anos, os investigadores concluíram que o grupo de “viciados em Internet” tem uma maior percentagem de pessoas com depressões moderadas e graves.

Os mesmos investigadores concluíram também que os “viciados” gastam, proporcionalmente, mais tempo a navegar por sites com conteúdos sobre sexo e jogo e por redes sociais.

“O estudo reforça a especulação pública que postula que ficar muito agarrado a sites que substituem as funções sociais normais pode significar transtornos psicológicos como a depressão e o vício”, disse Morrison.

“Precisamos agora de clarificar os efeitos do uso excessivo de Internet na saúde mental”, concluiu a investigadora.

Este artigo de seis páginas agora publicado é o primeiro grande estudo ocidental a considerar a relação entre o vício da Internet e a depressão. Muitos dos ensaios anteriores foram levados a cabo na Ásia, refere o “The Guardian”.

|Fonte: Público

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails